15 janeiro, 2009

Mv. Biscaglia - Nem a segurança privada lhes valeu.

A Data: Nov. 26 2008

O Tempo: 100 Minutos agonizantes

O Local: Ao largo da Somalia

Falha de segurança ou medidas de segurança defeituosas ? ... O ataque de Piratas Somalis reuniu muita atenção em 26 novembro de 2008 quando a segurança privada contratada a bordo do navio tanque MT Biscaglia foi insuficiente para repelir o ataque, isto sem utilizaçao de armas de fogo e teve de saltar borda fora do navio para escapar ás balas. O incidente levanta diversas questões relativamente ás empresas de segurança privadas a actuar no local . A Empresa de segurança em questão foi formada no passado mes de Julho por um antigo piloto do exercito Britanico, de forma a responder as constantes ameaças de Piratas na zona. Até ao momento colocou equipas de ex-Royal Marines & Special Forces num par de navios comerciais. Entre as "armas" utilizadas a bordo do MT Biscaglia estava um aparelho acustico de longo alcance (long-range acoustical device - LRAD). De acordo com os relatorios, a equipa de segurança a bordo o problema incidiu no facto de apenas terem a bordo um LRAD 500x montado na popa. O LRAD é muito eficaz contra objectos / pessoas vindas de uma unica direcção, mas os Piratas Somalis normalmente utilizão mais de um barco nos seus ataques de acordo com os analistas. A força de segurança devia ter instalado 2 unidades LRAD 1000x que fazem o dobro do ruido dos modelos 500x nos lados ou devia ter instalado a versão portatil em algo que pudesse andar ao longo do navio informa a base de São Diego da American Technology Corp.

Testemunhas oculares da tomada do M/T Biscaglia falaram na conferencia de imprensa

Mike Kelly, 36 anos, ex-Royal Marine, Carl "Rocky" Mason, 44 anos, e outro ex-militar (que nao quer o seu nome revelado) foram pagos com £10,000 por mes para fazer a segurança do M/T Biscaglia enquanto o mesmo navegava nestas aguas traiçoeiras

Rocky Mason disse : "A lei maritima proibe a utilizaçao de armas a bordo, mas os seus empregadores, Anti-Piracy Maritime Security Solutions (APMSS), em Dorset, UK, prometeram que o navio estaria equipado com dissuadores, que o navio tinha canhoes de agua e 1 aparelho acustico que seria dissuador e doloroso para os piratas e que eles fugiriam. Fizemos ainda uma bazuca artesanal com ferros de andaimes e flares

O M/T Biscaglia e 18 outros navios de carga zarparam inicialmente com a fragata Francesa Nivose num comboio de protecção. Desde a tomada do navio Ukraniano " M/V Faina, que a frota internacional começou a fazer protecção aos comboios de navios de carga assim que eles chegam de e para o Canal Suez.

Pensou-se que o M/T Biscaglia estaria seguro na sua viagem, mas o M/T Biscaglia fica para trás no comboio ao fim de dois dias.

O Ex-Royal Marine & Oficial de segurança do M/T Biscaglia Mike Kelly, de Dublin, disse : " verificamos que tinhamos 1 bote a cerca de 3 milhas e sabiamos que eram piratas, enviamos de imediato um aviso á Fragata Francesa Nivose enquanto o bote circundava o navio tanque, ficando fora do raio de acção dos canhões de agua

O Militar Francês : “ Respondemos o mais rápido que pudemos, mas já tinha acabado quando chegamos” disse Christophe Prazuck, porta voz da Marinha Francesa, que tambem enviou um helicóptero. “ Sem duvida que nos faz pensar sobre a utilidade destas equipas de segurança. “A Pirataria continua imbatível, em parte por causa de serem necessários 300 navios de guerra para controlar todos os movimentos na área de 772,200 milhas quadradas, “ Informou Prazuck. As primeiras linhas de defesa falharam e os seguranças ex-British corps decidiram utilizar a arma sónica chamada de L-RAD (Long Range Acoustic Device).

Mike Kelly diz: "pensamos que o L-RAD iria manter os Piratas longe, mas eles apenas se riram ao inves de se sentirem intimidados, resumindo, foi uma total perca de tempo."

Mike Kelly diz: "Usamos a nossa Bazooka artesanal mas nao acertamos e os Piratas começaram a ripostar com rockets."

Os Piratas fizeram a sua “Jogada”

2 Piratas ficaram no bote, enquanto outros 6 subiram a bordo e dispararam para a Ponte com as suas AK-47 onde os 3 Ex-militares Britanicos continuavam a sua defesa sem Armas de fogo

Rocky Mason, diz: "Eles começaram a disparar contra mim, e eu corri com eles a virem atras de mim aos tiros. Eles aparentavam ter cerca de 18 anos, magros e pareciam drogados com a droga local denominada de khat. Estavam a espalhar balas por todo o navio."

O trio de seguranças trancou todos os acessos ao terraço da ponte do navio. Meia hora depois do ataque ter começado, o Helicóptero do navio Francês Nivose apareceu.

Rocky Mason, diz: "No entanto o helicoptero estava armado, e é contra as leis maritimas tomar pela força um navio que ja tenha sido tomado pelos Piratas, por isso a tripulaçao do helicoptero foi forçada a sobrevoar apenas e a fotografar o que se passava lá em baixo.

Mike Kelly diz: "Nos decidimos que o melhor a fazer seria talvez escondermo-nos em algum lado e depois correr com os Piratas. De repente ouvimos tiros e vidros a partir e apercebemo-nos de que eles estavam na ponte do navio. Os Piratas fizeram a tripulação ajoelhar-se do lado de fora da ponte com as mãos na cabeça ficando 2 deles a guarda-los com as armas.

Mike Kelly diz: "Numa das imagens que podemos ver nos estamos no topo do navio e nessa altura os piratas nao sabiam onde nos estavamos . Rocky Martiin esta atrás de mim. Encontramos algumas barras de ferro e o nosso plano era para o Rocky Mason saltar do tejadilho sobre 1 dos Piratas. Pensavamos que eles eram apenas 3 e que depois de acabarmos com 1 deles seria mais facil capturar os outros 2. Mas então 1 dos membros da tripulaçao que estava em baixo de nós, preso, fez-nos gestos a informar que havia não 3 mas sim 6 piratas e armados; nesse momento soubemos que não iríamos conseguir recuperar o navio e bater-nos com os Piratas.

Rocky Mason acrescentou: "Não queriamos deixar para trás a tripulação. Eles tambem tem famílias, mas irritámos os Piratas e as hipóteses de levarmos um tiro cada um eram demasiado elevadas. Na melhor das hipóteses seríamos feitos prisioneiros e com os nossos passaportes Britânicos seríamos considerados reféns de alto valor, por isso decidimos que a melhor solução seria saltar borda fora.”

Os Piratas Somalis dispararam contra os 3 Britanicos enquanto eles saltavam para a Agua e continuaram a alveja-los enquanto eles nadavam para longe do navio. Os 40 minutos que demorou esta acção de fuga sob fogo, só vieram demostrar que a retirada estratégica foi a decisão acertada.

O Bravo trio desafiou o gang com todos os meios possiveis, incluindo a utilizaçao de algumas armas por eles fabricadas, mas as chances estavam contra eles e foram forçados a saltar borda fora de uma altura superior a 15 metros para um mar infestado de tubarões para evitar serem mortos ou feitos reféns. Aguentaram 40m na agua até serem resgatados por um helicóptero de salvamento, de nacionalidade Alemã que entretanto tinha chegado ao local. Agora em casa, dizem que terá de existir uma mudança drástica na forma como o mundo encara este problema,

Rocky Mason diz: "Eles sabem que não podemos realmente ripostar, é dinheiro facil e alguma coisa tem de ser feita”

Nota do editor : Ja foi debatido largamente na internet, mas nós achamos que estas pessoas desarmadas são herois que agiram com prudencia, fazendo o seu melhor com ospoucos meios que lhes foram disponibilizados pela Anti-Piracy Maritime Security Solutions . No entanto o nosso maior desejo é que a tripulaçao do M/T Biscaglia regresse sã e salva.

Epilogo:

No seguimento da captura do M/T Biscaglia & M/T Sirius Star, alguns armadores estão a pagar milhares de Dolares por dia por protecção a empresas privadas, assunto a ser falado na nossa proxima intervenção.

3 comentários:

NunoC disse...

Muito bom relato, agora a atitude dos seguranças poderá ser considerada cobardia???
Afinal eles estavam a ser pagos para proteger a tripulação e o navio...

Fazendas disse...

Pois amigo.... como disseste estavam a ser pagos para PROTEGER, nao para morrer que era o que lhes ia acontecer.

Sem armas, so se lhes mandassem com laranjas, ou calhaus...

- Os homens tentaram tudo o que podiam...

Dexter disse...

Pois eu acho que foi um acto de cobardia e principalmente de péssimo profissionalismo.

Não podemos deixar te ter em consideração que ele sabiam que tinham passaportes Britânicos e que seriam potenciais alvos de alto valor, desde o momento em que foram contratados, e aceitaram.

Mas na altura de aceitarem o trabalho e o pagamento, com certeza que não fugiram !!

Os meninos eram ex-militares e encaixavam 10.000 libras / mês (ao cambio de hoje apx 10.500 euros / mês)

Foi mais corajoso o tripulante que inocentemente os informou que eram 6 piratas em vez de 3, certamente convencido que os meninos os iriam ajudar a sair dessa embrulhada, como os competia.

Para mim , não tenho duvidas, foram cobardes e deveriam ser julgados pela sua atitude, como profissionais de segurança que deixaram os seus clientes a mercê de terceiros !!!

Mas também acho que, os seguranças dos navios deveriam ter autorização legal internacional para ripostar e atirar a matar contra esses animais !!

(é melhor ficar por aqui , que isto já vai longo...)